Ancestralidade em nós

Selecione o Material: Tela Algodão
Selecione o Tamanho: 50x75 cm - Edição limitada 180
Preço promocionalR$ 1.190

IMPORTANTE: Nossa política de envio é de até 10 dias úteis para obras e 20 dias úteis para metacrilatos. Todas as obras são transportadas com seguro para sua segurança. Nossas obras são enviadas enroladas, por uma questão de logística e para que nossos clientes tenham total liberdade de personalização. As obras em metacrilato são entregues prontas para pendurar, facilitando ainda mais sua experiência de compra.

Isis Medeiros trabalha como fotógrafa documentarista e desenvolve projetos autorais voltados a defesa dos direitos humanos. Integra coletivos de fotografia e comunicação e colabora com mídias impressas e eletrônicas no Brasil e no exterior.


Documenta movimentos e organizações de resistência política e grandes manifestações populares. Denuncia em seu trabalho a violência do estado e as violações de direitos humanos.


Com particular interesse pela luta das mulheres, realiza trabalhos voltados para o empoderamento feminino. Em 2016 realizou o projeto ‘Mulheres Cabulosas da História’, e foi premiada com a medalha ‘Clara Zetkin’, que destaca mulheres com iniciativas transformadoras.


Já realizou inúmeras exposições de seus projetos dentro e fora do país. Expôs em 2017 no XII Fórum Social Mundial(FSM) em Montreal(Canadá), e 2018 em Arles na França, exposição de fotografias denunciando o crime socioambiental ocorrido em Mariana(MG) e a violação dos direitos dos atingidos por barragens no Brasil. Suas duas novas exposições que estão circulando o país são: “Vale?” e “Mulheres Atingidas: da lama à luta”, ambas com a temática sobre as consequências dos crimes socio ambientais da mineração no Brasil.


Em 2017 foi uma das fundadoras do FARPA, atual "Agencia Farpa", coletivo fotográfico dedicado em documentar movimentos e lutas por direitos humanos no Brasil.


Em 2018 foi uma das fundadoras de “Fotografia pela Democracia", grupo nacional de fotógrafos dedicados em defesa da democracia e dos direitos humanos no Brasil.


Em 2019 foi a única fotógrafa brasileira a receber menção pelo trabalho no concurso do Primeiro Congresso de Fotógrafas Latino Americanas.